Kamigakari - Matadores de Deuses


Katanas, armaduras sentai, magias super apelonas, isso é Kamigakari!

Criado por Shuji Hisami e Satoshi Sasamiya, Kamigakari - God Hunters, é um RPG de fantasia urbana publicado originalmente no japão em 2013 e trazido ao ocidente em 2020 pela Serpent Sea Games, este jogo conta a história de jovens que herdaram poderes divinos para investigar e eliminam deuses corrompidos, enquanto criam laços uns com os outros a fim de manter sua própria humanidade.


Em Kamigakari os jogadores encarnam estudantes, membros de organizações secretas, magos , detetives espirituais e até ninjas! Seres humanos excepcionais, abençoados com poderes de diferentes origens , que assumem assumem seus papéis de protetores da humanidade, combatendo espíritos malignos e os temíveis Aramitama, deuses que foram corrompidos e que hoje só desejam devorar almas.


Como outros RPGs populares no japão, Kamigakari utiliza um sistema cheio com uma base simples (apenas 5 atributos: Força, Agilidade, Intelecto, Vontade e Sorte), porém repleto de escolhas que garantem vários pequenos bônus e penalidades que se somam aos testes realizados pelos personagens. Como um bom jogo com temática de anime, ele conta com uma lista enorme de poderes (por volta de 100) que são divididos em "temas" de personagens, como Paragon: Alguém que descende de deuses ou demônios; Nightstalker: alguém que seu poder vem de monstros mitológicos como vampiros e lobisomens; Hanyou: conhecidos como meio-youkais, eles costumam ser associados a boa sorte e manipulação de espíritos; Magus: Clérigos, Bruxas e outros Poderosos usuários de magia; Natural: Humanos mais ou menos comuns, que por algum motivo inexplicável encaram os Aramitama contando apenas com sua perseverança e versatilidade. Vários grupos de talentos e opções de equipamentos para customizar seu personagem. Ainda existem diversas ocupações, que representam sua vida mundana, e garantem bônus em testes de atributos para situações onde aquela ocupação teria um conhecimento a mais


O Sistema de testes funciona da seguinte maneira: você rola 2d6, soma o valor do atributo testado e deve superar a dificuldade do teste. Caso você tire dois valores "1" tem uma falha crítica, caso tire dois "6" tem um sucesso decisivo. Em algumas situações você pode receber dados de bônus ou penalidades no teste. Aumentando ou reduzindo sua Pool de dados. Você tambem conta com uma "spirit pool", que são rolagens de dados que você pode utilizar para "trocar" por dados em suas rolagens, isso dá ao jogador um maior controle do sucesso de suas ações, entretanto, mais pra frente isso pode ter um custo. Durante o combate a situação muda um pouco, a sua rolagem de dados é comparada a uma Tabela de Dano, onde de acordo com o resultado da sua rolagem seu dano pode ser maior ou menor. Além disso, certos poderes aumentam o "rank" de dano que você causa, fazendo com que você consiga golpear com muito mais impacto!

Sistema de combate Explicado da melhor maneira possivel!

O livro ainda conclui explicando a estrutura narrativa do jogo, que ele chama de cenários. Aqui vale destacar que vários RPGs japoneses possuem uma estrutura diferente da utilizada em jogos de RPG ocidentais. Nela, eles tentam emular vários aspectos da narrativa de animes e seriados, além de estruturar as relações interpessoais entre personagens e para passar as pistas dos mistérios aos jogadores, muitas vezes associados a algum Aramitama presente na região,


Primeiramente, cada cena possui características específicas, é designado um "protagonista" para ela, que é um dos PCs, aqui vemos um momento do seu cotidiano onde ele pode fortalecer seus laços com jogadores e NPCs, ou encontrar pistas sobre os acontecimentos sobrenaturais na cidade. É importante citar que todos os jogadores eventualmente são protagonistas de pelo menos uma das cenas, a fim de dividir os holofotes do jogo. Além disso, caso outro jogador deseje participar da cena, ele pode então fazer um "teste de aparição", que irá determinar se aquele personagem está ou não envolvido na cena em questão. Após várias sequências de cenas, chegamos ao clímax onde os PCs enfrentam a "batalha final" do cenário. Está é a única cena onde não existe um protagonista, e todos os PCs estão automaticamente nela.


Parece fofinho, mas se você se descuidade, ele vai devorar você.

Após a conclusão do cenário, possuímos uma espécie de epílogo, onde recebem suas recompensas e devem fazer um "crest check". Para superar as adversidades o personagem acabam consumindo o poder de suas almas, porém isso tem um custo, sua centelha pode ficar mais fraca, causando efeitos negativos no final da sessão, como perda de memória, morte ou até a corrupção do seu coração, transformando o personagem num novo Aramitama. Nesse momento, os laços que os PCs formam entre si e com outros NPCs, ajudam a restaurar sua condição e evitar que eles acabem tendo um final trágico.


Kamigakari é um jogo que possui uma vibe muito boa pra quem curte anime, investigação e um pouco de slife of life. Pra quem entende inglês é uma das minhas maiores recomendações.

1 comentário

Receba nossas atualizações

  • Facebook | RPGNoticias
  • YouTube | RPGNoticias
  • Instagram | RPGNoticias
  • Twitter | RPGNoticias
  • Pinterest | RPGNoticias

© 2023 por AsHoras. Orgulhosamente criado com Wix.com