Como fazer aventuras de RPG de mesa com tramas maleáveis.



Em uma recente enquete que fiz no grupo de Facebook do Blog RPGNoticias o tema mais votado para artigos voltados aos narradores de RPG foi o “Como interligar tramas (plots)”.


Juntado isso e o fato de alguns leitores pedirem (muito) dicas de como começar uma campanha, lembrei de algo que faço em algumas aventuras que espero que ajude quem está começando ou quem nunca usou essa técnica antes.


Lembrando, essa não é a maneira certa para começar, mas apenas uma das várias opções que podemos ter em jogos.

Imagino que a quantidade de vezes que um narrador bolou uma trama épica, mas que por causa das ações dos personagens acabou sendo ignorada, anulada ou alterada, seja inúmera e como todos, isso aconteceu MUITO comigo. Porem achei um jeito que acredito diminua muito essa frustração.


Eu chamo ela de plots maleáveis. ( eu chamo tramas de plots por vicio de linguagem 😀 )


A ideia é você não criar tramas fixas, mas pensar mais como se um “vilão” planejasse as coisas e ESPERASSE que desce certo e por isso acaba criando Plano B, C e quantos precisar.


Confuso? Vamos a um exemplo.




Pensamos num Plot bem Básico: Goblins estão invadindo uma mina de carvão assustando e ferindo mineradores e atrapalhando o comércio da cidade, aventureiros são contratados para limpar a mina. Você planeja algo como:


  1. Heróis são contratados

  2. Heróis exploram a mina

  3. Heróis passam por armadilhas e combates

  4. Heróis enfrentam o líder da tribo ( Um humano bardo que reencarnou como Goblin e se tornou líder dessa tribo usando de sua inteligencia ).

  5. Heróis coletam seus espólios e recompensas da cidade.


Sem erro né? Sem dúvida seu grupo vai fazer exatamente isso né? …. nunca….

Pode acontecer deles planejarem contratar mais pessoas, tentarem incendiar a mina e tirar os goblins com fumaça, podem tentar negociar com os goblins e até mesmo acabar ficando com a mina e extorquir a cidade. Isso faz parte de um jogo, não tem como prever cada movimento dos personagens.


O que dá para fazer é pensar como um vilão.




Voltando a aventura de cima, mas agora pensando em plots maleáveis.


  1. Um bardo humano que foi reencarnado recentemente como um goblin acaba usando essa sua nova aparência, que ele odeia, para dominar uma tribo de goblins e extorquir uma cidade. (seria legal dar um motivo ligado a cidade, como por exemplo ele ter sido morto por alguém de la e depois trazido de volta por um colega ou amante druida, ou use as dicas sobre verdades que já postei e deixe os jogadores criarem o histórico dele durante o jogo)

  2. Ele lidera os goblins usando magia e sua lábia e consegue convence-los a usar táticas inovadoras para dominar uma mina de carvão e transformar o local que ele reconheça como um lar. No final ele pretende extorquir a cidade e viver em conforto.

  3. Ele prepara o lugar com armadilhas, treina seus goblins com estrategias humanas e pretende surpreender aqueles que forem atacar o lugar.

  4. O Bardo imagina que a cidade irá tentar contratar aventureiros e enviará um goblin ( o mais esperto que achar ) para espionar a cidade e avisar o Líder caso algo do tipo aconteça e para se prepararem melhor.

  5. Ele estará disposto a conversar termos de rendição e até um acordo para trabalhar junto com a cidade se for bem convencido ( ou apanhar muito e deixarem ele vivo )

Pode parecer que você apenas adicionou mais detalhes, mas agora você sabe as motivações e o que o vilão pretende fazer e não o que você quer que aconteça na historia. Essas informações criadas podem (e devem) ser usadas como um guia, usando cada uma delas em resposta a cada decisão dos personagens, descobrindo se eles conseguem avançar na historia ou facilitar a vida do vilão, complicando a aventura ainda mais.


Eu foquei em, “pensar como vilão”, mas não necessariamente você precisa ter um vilão para planejar uma aventura, basta pensar como um, aquele que planeja tudo que está para acontecer e ainda pense em outras frentes da aventura que podem influenciar a mesma.


Continuando o exemplo, ciando ainda mais detalhes

  1. O Druida que reencarnou o bardo como goblin está do lado dele (ou até mesmo influenciou ele, afinal essa cidade está extrapolando demais na exploração da natureza). Ela pode ser a espiã e até mesmo ser uma representante da cidade que acabará por desinformar os personagens e levá-los ao covil de um urso na esperança deles morrerem.

  2. O chefe da guarda não confia em heróis (principalmente os que pedem mais dinheiro ), mas ajudará personagens que provem honra e se preocuparem com o próximo conseguindo uma arma obra prima e até mesmo acompanhando caso ofereçam trabalhar por menos ou de graça.

  3. Para evitar ser tirado com um incêndio, alguns mineiros foram feitos prisioneiros recentemente ou mesmo a cidade pede para não fazer ( é uma mina de carvão rapazes. É nosso ganha pão! )

Tendo essas ideias em mente, você já poderá narrar mais tranquilamente e acredito que irá sempre se inspirar em colocar mais complicações (que sejam interessantes) com segurança, pois você não escreveu nada na pedra, apenas o que se espera acontecer.


Nesse tipo de aventura, usando os plots maleáveis, é sempre interessante colocar detalhes relevantes. Preste atenção nos NPCs que você colocar, de uma característica legal e um objetivo simples ( Ex:. O vendedor de armas é gago e procura se tornar um grande ferreiro um dia ), faça o mesmo com os locais (Ex:. a cidade esconde o assassinato do Bardo pois pena de morte é ilegal na região) e faça algumas anotações sobre a região (Ex:. os bosques são recheados de lobos que atacam os rebanhos da cidade, um urso tem um covil e é famoso pelos caçadores da região, os goblins acabaram por aumentar os ataques dos lobos por competirem com eles comida e água ).


Alem de dar mais vida a sua aventura, você pode aproveitar os proprios personagens para ter ideias e se inspirar, as vezes em nem ter anotado nada antes. Quando for adicionar esse tipo de coisa, olhe para seu grupo e se pergunte o que iria ser interessante para cada personagem e como suas habilidades funcionariam melhor? Temos um ladino? Capriche nas armadilhas! Druida? Coloque mais animais e quem sabe alguns rituais que o outro druida tenha feito para atrapalhar e ele possa desencantar. Um Mago? Talvez ele saiba de uma maneira de trazer o Bardo de volta a forma humana, mas para isso precisam convencer o mesmo e ir atrás da Pedra das Formas a alguns dias de viagem. Talvez o bardo Golbin iria até junto!


Bem, espero que tenha ajudado e se criei mais dúvidas que soluções, por favor mande nos comentários para responder e melhorar ( ou xinguem para saber o que mudar 😉 )

Abraços e muito XP a todos.


Receba nossas atualizações

  • Facebook | RPGNoticias
  • YouTube | RPGNoticias
  • Instagram | RPGNoticias
  • Twitter | RPGNoticias
  • Pinterest | RPGNoticias

© 2023 por AsHoras. Orgulhosamente criado com Wix.com