Travessias

Travessias

Primeiro projeto da Aster Editora

Há uma nova editora chegando no mercado de RPG brasileiro. A Aster Editora inicia seus trabalhos com Travessias. Logo na página de créditos, já temos uma surpresa – ninguém é listado como autor do jogo (isso só aparece na última página). Nascido de um game jam durante o 10o Encontro de RPG no CCJ, Travessia lista apenas os responsáveis por edição (Jorge Valpaços; Lampião Game Studio, Déloyal), preparação e edição (Evelini “Eva” Andrade; Livro dos Espelhos, Numenera), direção de arte (Cecília Reis; Sangramento, Monsterhearts 2), diagramação (Claudio Niman) e playteste (Viviane “Gracilariopsis” Costa; As Tralhas RPGísticas da Graci).

Sobre o que é?

Travessias é sobre personagens no limite, os tocados, seres meio-fera que não pertencem nem a um mundo nem a outro. Mais do que isso, Travessias é sobre compartilhar histórias, sobre desapegar do seu personagem, sobre um senso de comunidade na mesa de jogo. Os tocados são meio humanos e meio feras, enquanto que os jogadores são meio jogador e meio narrador.

Como funciona?

A criação de personagens é rápida e simples: você escolhe um nome, um rótulo representando sua outra metade (meio-dragão, meio-raposa, meio-ornitorrinco, etc) e os outros jogadores em consenso escolhem um defeito para ele, um conflito; você vai desenvolver mais rótulos e conflitos durante o jogo. Depois você distribui 6 pontos entre os 2 atributos, Viver e Sobreviver (nenhum deles pode ter valor 0). Viver representa o seu lado intelectual e passional, enquanto Sobreviver representa o seu lado ativo, físico; eles também servem como “contadores de dano”. Lembra um pouco Lasers & Sentimentos, com o adicional de que ter 2 atributos com seres que são metade humano e metade outra coisa casa muito bem.

Além de criar o seu tocado, cada jogador cria uma conjectura. É uma possibilidade sobre o mundo de jogo. Elas são todas anotadas em papéis e depois uma é sorteada. Essa conjectura sorteada é válida para essa sessão de jogo e o autor dela se torna o contador, a figura do jogo para mestre/narrador, enquanto os demais jogadores dividem o controle sobre seu personagem. O Contador então cria uma história a partir do fio condutor da sua conjectura, com ênfase nos conflitos dos tocados. Ênfase no controle do tocado do contador estar com os demais jogadores – isso quer dizer que o contador não pode privilegiá-lo e pode acabar até o matando! A duração do jogo pode variar, mas é recomendado realizar o sorteio de conjecturas até que todos tenham sido contadores uma vez.

A mecânica de resolução de conflitos em Travessia se chama aposta e é muito interessante. O contador rola o dado (um dado normal de 6 faces) escondendo o resultado. O jogador tenta adivinhar qual foi o resultado – e pode fazer uma aposta para cada ponto que tiver no atributo apropriado à aposta. Daí o contador revela o dado; se o jogador acertou o valor, ele tem sucesso. Se alguma faceta de um rótulo seu for vantajoso para superar um desafio, você pode fazer uma nova aposta se falhar na primeira. Caso o contador considere que um conflito colocar o tocado em posição desvantajosa, o tocado é obrigado a fazer outra aposta mesmo tendo tido sucesso.

A evolução dos personagens também é bem interessante. Após cada sessão de jogo, um dos personagens recebe um novo rótulo e um novo conflito. O mesmo personagem não pode receber um novo rótulo ou conflito até que todos os demais tocados tenham recebido. Ou seja, os personagens evoluem juntos.

É para mim?

Travessias é sobre auto-questionamento, narrativa compartilhada e a visão que as pessoas têm de você. É um jogo mais visceral e imersivo que a grande maioria dos outros jogos na cena nacional. Se esses conceitos soam interessantes para você, pode ter certeza que vai ser um grande jogo. Se você só quer matar orcs, provavelmente não vai curtir. Também, é um jogo muito pautado no improviso, então se você tem dificuldades em improvisar pode querer fazer o sorteio das conjecturas alguns dias antes da sessão de jogo, para ter tempo de se preparar.

Conclusão

Travessias é um jogo rápido e inovador, escrito de forma muito fluida e didática. É uma excelente opção para quem quer começar a se aventurar em jogos mais narrativistas e um dos poucos jogos curtos com regras leves disponíveis em português sem uma temática carregada de humor. A diagramação é simples e funcional e as ilustrações são bem bonitas; muitos jogos dessa extensão nem têm ilustrações. Essa geralmente é a parte em que a gente diz “é muito legal mas”, só que dessa vez não tem mas. Não consigo imaginar uma única forma desse jogo se encaixar melhor na sua proposta.

Se esse foi o pontapé inicial, pode ter certeza que tem um golaço da Aster vindo por aí. Travessias estará disponível em breve em formato digital na página da Aster Editora, de forma gratuita.

Previous Unearthed Arcana: 2 novas tradições de monge
Next Sistema alternativo de moralidade

About author

Shinken
Shinken 268 posts

Thiago Rosa Shinken é escritor e tradutor freelancer de RPG, já tendo trabalhado várias editoras no Brasil e nos EUA. Ele joga RPG desde os 9 anos, é fã de punk rock, nunca dispensa uma cerveja de trigo e torce pelo Fluminense.

Review do editor

Disponibilidade
5/5
Conceito
5/5
Regras
5/5
Apresentação
5/5

5

Excellent
5

Você pode gostar também de

Dungeon & Dragons 2 Comments

DCI – O que é? Pra que serve? O que ele come? O que faço pra ter um?

Para participar de aventuras sediadas em lojas, grandes convenções, ou para atuar como mestre em um desses eventos, é necessário que você seja cadastrado no DCI. Se você já tem

Noticias e Mais 0 Comments

Plano de Mestre

Eu tinha um tremendo preconceito contra grids em quadro branco, não sei nem dizer o motivo. Quando comecei a me interessar por grids no ápice da terceira edição de D&D

Chamado de Cthulhu 1Comments

Entrevista – Chamado de Cthulhu, o trio por trás do livro.

Para quem ainda não sabe, um ritual de invocação de um dos Grandes Antigos mais famosos já começou. É o projeto do catarse.me do Chamado de Cthulhu, tradução oficial do famoso jogo de

1 Comment

Deixe um recado