Resenha Old Dragon Aprimorado

Resenha Old Dragon Aprimorado

Figura 1 A Capa do manual

Laçado oficialmente em 2010, Old Dragon – OD é um sistema de RPG desenvolvido com base na OGL do sistema d20 e assinado por Antonio Neto, Fabiano Neme e Dan Ramos. Agora, no final de 2017, a RedBox lança no mercado a nova versão deste que é um dos sistemas com uma das maiores comunidades de RPG no Brasil, o Old Dragon Aprimorado – ODA.

Para quem não conhece o sistema,  Old Dragon é um RPG com temática medieval que se utiliza de elementos dos jogos Old School, porem diferente de outros sistemas OSR,   ele possui algumas mecânicas derivadas de diferentes versões de Dungeons & Dragons. A estrutura base do jogo é construída de forma que os jogadores (e não seus personagens) sejam o foco do jogo, permitindo através disso que as ações dos mesmos sejam baseadas mais em soluções criativas e narrativas do que necessariamente mecânicas.

É importante salientar que esta tiragem não se trata de um OD versão 2.0, mas uma revisão de algumas regras atreladas a uma nova identidade visual. Tendo em vista isso, vamos agora para as mudanças principais que esta revisão aprimorada trouxe ao sistema.

Identidade Visual e Textual:

A primeira e provavelmente maior diferença que você irá notar neste livro são as mudanças profundas no visual e diagramação do texto. As ilustrações foram totalmente reformuladas por diversos ilustradores talentosos, que na maioria dos casos consegue trazer bem o clima que o jogo quer passar. Outro detalhe interessante, todas são ricamente coloridas e retratam as mesmas cenas vistas em edições anteriores, como podemos ver na figura abaixo:

Figura 2 As noites na Arábia e os dias também.

A formatação do conteúdo sofreu mudanças drásticas, tendo as tradicionais 2 colunas substituídas por uma coluna única que favorece uma leitura e aproveitamento de pagina em livros com tamanho A5. A diagramação é por si uma das melhores coisas deste livro. Pensada de forma a facilitar a leitura e a encontrar as informações importantes, detalhes como negritos em certas palavras chaves, destaques nas caixas de texto entre outros tornam esta uma das mais agradáveis leituras de materiais nacionais.

O conteúdo do texto também passou diversas alterações, expandindo o conteúdo dos capítulos (adicionando cerca de 30 páginas a mais do que a ultima impressão do manual). A adição de explicações mais detalhadas de alguns conceitos , aliado a um box com um exemplo de criação de personagem que acompanha a explanação das regras, esse se torna um excelente material para introduzir um grupo iniciantes ao RPG, mesmo que nenhum deles tenha tido contato com RPG anteriormente.

Apenas por esse “aprimoramento” na estética do livro, já seria uma ótima aquisição, entretanto as mudanças não param por ai.

Figura 3 Talvez a Pagina mais importante deste material

Mudanças e Atualizações:

Classes

As classes sofreram algumas pequenas mudanças em sua estrutura. As especializações do Homem de Armas, mago e Ladino foram revisadas, sofrendo algumas mudanças. As mais dignas de nota são a revisão do Bárbaro, que perdeu sua resistência ao dano em troca do acesso a um estado de fúria que melhora suas habilidades ofensivas e o Adivinho, uma nova especialização para Mago.

Entretanto a classe clérigo sofreu fortes mudanças.  A primeira delas é que seu bônus de ataque foi modificado, tornando-se igual ao do Ladino, a segunda é que agora o clérigo tem acesso aos Domínios divinos, que funcionam como habilidades de uma especialização, porem associadas a uma das várias divindades expostas no manual. A terceira, é que a habilidade de classe, Afastar  Mortos-vivos, sofreu uma reformulação, e agora o poder de expulsão depende dos Dados de Vida do Morto-vivo, e não mais do seu tipo.

Equipamentos

Nos equipamentos temos algumas mudanças que talvez sejam as mais polêmicas. A primeira delas é que eles perderam seu bônus de Iniciativa e a segunda é que as armas agora possuem margens e multiplicadores de críticos, ou seja, uma espada tem maior facilidade de causar um acerto critico, mas o critico de um machado dói mais. Ainda nos equipamentos, agora temos a divisão dos mesmos por kits (básico, explorador, criminoso, etc) o que facilita a compra rápida de itens para um personagem recém-criado, e o surgimento de uma regra opcional para comércio de itens mágicos. Aqui também tivemos uma reformulação completa da capacidade de carga.

Magia

No capitulo de magia temos uma novidade interessante, são mais de 20 novas magias que foram adicionadas as que já existiam, em especial o clérigo ampliou bastante sua lista de magias.  Invocar criaturas tornou-se mais simples e customizável, já que agora a magia invoca DVs de criaturas e não monstros de uma lista específica. As Jogadas de Proteção também  são listadas no topo de cada magia, agilizando seu uso em um combate.

Figura 4 It’s a kind of magic..

Combate

Falando em combate, como era de se esperar, as mudanças na iniciativa tornaram o fluxo da batalha muito mais rápido e mais mortal. A nova regra para dano massivo torna muito fácil que um personagem venha a óbito, constituição nunca foi tão importante! Outro agravante são os monstros, vários deles passaram por uma reformulação e estão mais mortais do que nunca.

Monstros

Agora entramos num ponto polêmico. O novo modelo de criaturas empregado no manual é bastante interessante. Ele traz um conteúdo mais amplo sobre as criaturas, imagens de todos os monstros apresentados, dados utilitários como a sinergia dos mesmos com outras criaturas e dicas sobre como criar encontros. Isso torna a vida de um mestre iniciante mais fácil. Porém, todas essas qualidades acabaram obrigando a edição a reduzir o numero de criaturas presentes neste manual. Enquanto OD tinha mais de 60 criaturas, ODA tem cerca de 40.

Figura 5 Malditos Goblins!!

Conclusão

Por fim, podemos concluir que o livro é um bom investimento para quem procura um sistema bom para apresentar RPG a novatos ou robusto o suficiente para suportar uma campanha medieval clássica. Por ser uma versão mais luxuosa (e cara) do manual de Old Dragon, talvez não compense para quem já possui o módulo básico do jogo, mas certamente é uma excelente aquisição para todos os fãs de RPGs medievais. Caso tenha dúvidas se o sistema vai te agradar, é possível baixar gratuitamente o módulo básico em PDF dentro do Site da editora.

 

Resumo:

Preço de Capa: 79R$

Pontos Fortes:

  • Texto-Guia com exemplos para Iniciantes
  • Conteúdo de regras expandido
  • Diagramação Clara e coesa
  • Retro-compatibilidade com as tiragens anteriores

Pontos Fracos:

  • Menos monstros e falta de uma lista ordenada deles.
  • Sentimos falta de algumas artes do Dan Ramos.
Previous Freedom City terceira edição recebe preview gratuito
Next Anunciada a data do novo filme de D&D

About author

Odmir Fortes
Odmir Fortes 5 posts

Desenhista, cosplayer, cozinheiro e rpgista, não necessariamente nessa ordem.

Review do editor

Disponibilidade
5/5
Regras
4/5
Emulação de Gênero
3.8/5

4.27

Good
4.27

Você pode gostar também de

RPG Nacional 2 Comments

Conferindo o VII Soul + RPG

Neste final de semana, tive o prazer de participar do 7° Soul+RPG, o maior evento de RPG do nordeste brasileiro que aconteceu em Fortaleza nos dias 18 e 19 de

RPG Nacional 5 Comments

Cronograma de Lançamentos da Jambô para 2017

Vocês já devem ter visto o cronograma de lançamentos da editora Jambô para 2017. Porém, por motivos que logo vão ficar claros, decidimos comentar sobre alguns dos títulos de RPG

RPG Resenhas 0 Comments

Monsterhearts 2 – Resenha

Monsterhearts 2 é sobre as vidas caóticas de adolescentes que, secretamente, são monstros.   Por mais que tentasse, Dave não conseguia despistar seus perseguidores. Logo atrás dele, a dupla de

4 Comments

  1. BGG_Esquilo
    dezembro 19, 13:08 Reply
    Achei completamente desnecessário um quadro sobre orientação sexual. Infelizmente a Redbox está deixando a ideologia política de alguns membros da empresa influenciar decisões editoriais.
  2. Pedro O.
    dezembro 20, 08:08 Reply
    Gostei muito do pdf, realmente dá um orgulho desse trabalho da RedBox. Um jogo que se propõe old school sempre traz algumas decisões difíceis do tipo: -quais mecanismos transmitem a sensação de old school e devem ser privilegiado Vs. que mecanismos simplesmente se tornaram ultrapassados (por mal design) e devem ser abandonados mesmo em um jogo OSR? -que mecanismos que jogos não OSR trazem que são tão bons que valem a pena serem adotados Vs. o risco deles diluírem o tom OSR do jogo vejo que o Old Dragon dança um pouco nesses dilemas, o que pode ser polêmico, por ser uma questão de gosto também, pode agradar mais uns do que outros, mas parece que a proposta é fazer um jogo "moderno" sem deixar de ser old school. PS: um beijo na boca pro BGG_Esquilo
    • Odmir Fortes
      dezembro 20, 11:52 Reply
      Sim, acredito que esse foi o grande desafio da equipe por trás do OD. Balancear o sentimento oldschool com mecânicas mais funcionais.
  3. Thomaz Aily
    Janeiro 11, 16:27 Reply
    Ótima análise de produto! Parabéns pelo trabalho de vocês!

Deixe um recado