O mercado brasileiro de RPG

O mercado brasileiro de RPG

Você já ouviu falar que o RPG morreu? Ou que não existe mercado brasileiro de RPG? Provavelmente sim. Essas duas afirmações são bastante exageradas. Como é costumeiro nos exageros, elas tendem a divergir da realidade. Claro, não é sem motivo que essas afirmações são repetidas. Por muito tempo pensei que esse motivo era malícia. Só que essa é uma generalização bem rasa. Como é costumeiro nas generalizações, ela tende a ser injusta. As transformações do mundo e dos meios de consumo tornam o mercado atual muito diferente do que era alguns anos atrás. Essa mudanças podem gerar confusão ou desencontro de informações. Temos um público diferente e novas relações de consumo. É perfeitamente possível, dentro desse paradigma, chegar a conclusões pessimistas sem nenhuma malícia. Também é perfeitamente possível enxergar um panorama muito mais positivo do que realmente é.

Afinal, o que sabemos de verdade sobre o mercado brasileiro de RPG no século XXI? Enquanto reunia informações e relatos para esse artigo, descobri que eu sabia muito menos do que imaginava. 

O que é um mercado?

Uma crítica recorrente, quando se fala de mercado brasileiro de RPG, é que uma análise não deve se ater somente ao material publicado por editoras. Sobram argumentos a favor dessa crítica, especialmente vindos do rolê indie. Diz-se que torna o mercado limitador. Que torna o mercado elitista. Que favorece geograficamente o sul e o sudeste. Que centraliza produção cultural. Que estabelece barreiras de acesso. Todos esses argumentos estão corretos, de certa forma. O mercado editorial de RPG não é sinônimo do mercado de RPG. É um caso clássico de parte pelo todo.

Embora um mercado seja definido principalmente pelo fluxo de unidade monetária, não pode-se esquecer que, antes disso, ele é definido por trocas. Acontece que, para o mercado, não importa qual é a moeda de troca. Pode ser dinheiro e, na maioria das vezes, é mesmo. Acontece que até quem fornece um produto de graça está ganhando alguma coisa com isso: divulgação, anúncios, satisfação pessoal, a lista é longa.

Porém, pode-se dividir o mercado em dois grandes grupos: o formal e o informal. Enquanto o mercado formal é regulado, oferecendo garantias ao consumidor, o mercado informal não é. Dessa forma, se você comprar uma aventura de Tormenta e tiver algum problema, existe um amparo legal ao qual você pode recorrer. Caso você tenha problemas com material do Conclave da Aventura, o máximo que você pode fazer é reclamar pessoalmente.

O que sabemos sobre o mercado informal?

Toda sorte de conteúdo faz parte do mercado informal de RPG. Não se tratam somente de livros digitais, zines ou artigos de blog. Canais de vídeo como o Vertente Geek e a Ordem do Dado, streamers como o Azecos e até páginas de humor como D&D da Depressão são todos parte do mercado informal de um jeito ou de outro.

É essencial entender que um tipo de mercado não é melhor que o outro. O mercado informal é muito mais ágil, mais flexível e mais plural. Acontece que, devido às garantias que o mercado formal precisa apresentar, existem muito mais dados sobre ele do que sobre o mercado informal. Esses dados, também, costumam ser mais confiáveis. A gente vai falar mais sobre o mercado informal no futuro próximo.

O mercado informal é de extrema importância para a cena nacional de RPG. Sempre foi e sempre vai ser. Porém, pelo resto do artigo, vamos nos concentrar no mercado formal. Isso acontece por dois motivos centrais. Primeiramente, o mercado informal de RPG não mudou muito com o passar dos anos. Seu escopo aumentou de local para nacional, principalmente pela facilidade de compra de material usado e disponibilização de material gratuito online. Fora isso, justamente por ser tão orgânico, ele não apresenta grandes diferenças. O motivo final acaba sendo mais decisivo, porém: uma questão de praticidade. Os dados sobre o mercado formal já existem, bastando apenas obtê-los das editoras. Obter os dados do mercado informal é uma tarefa hercúlea para grandes agências, muito além do escopo desse artigo. Já existem iniciativas para entendê-lo, porém.

Para ilustrar o quão difícil é avaliar até mesmo o mercado formal, podemos usar a lista da icv2. Frequentemente apontada como um termômetro do mercado, ela é feita a partir de contato com revendedores e distribuidores. Dessa forma, ela não inclui resultados de financiamentos coletivos nem jogos vendidos exclusivamente pelo DriveThruRPG. Jogos famosos e comercialmente bem-sucedidos como 7o Mar, Shadow of the Demon Lord, Exalted e Mundo das Trevas não figuram nessas listas por esse motivo.

Foto do Saia da Masmorra

Quanto publica o mercado brasileiro de RPG formal?

Recentemente, o livro básico de Tormenta RPG bateu a marca de dez mil exemplares vendidos de um total de 13500 impressos. O único jogo brasileiro em publicação que sequer chega perto dessa marca é o Old Dragon, que atualmente conta com 9800 exemplares impressos (o número de vendas nós ainda não sabemos). Vale lembrar que esses dados são somente para os livros básicos da versão atual.

De acordo com a Daemon, nos anos 90, os títulos costumavam ser impressos em quantidades bem maiores.  3000 em média,  5000 para os jogos mais famosos, 10000 para revistas e até 20000 exemplares para as revistas mais famosas e livros vendidos em bancas. O que causa essa diferença?

A distribuição é um fator importante. Atualmente, os jogos são vendidos principalmente em lojas das próprias editoras. Mesmo as lojas de RPG independentes estão fechando com maior frequência do que estão abrindo. No passado, esses títulos eram encontrados em bancas de jornais e livrarias. Esses dois modelos de distribuição também se encontram severamente prejudicados no Brasil, com visões pessimistas prevendo sua extinção. Como as lojas das editoras se encontram principalmente no sul e no sudeste, as vendas se concentram nessas áreas. Para os RPGistas do norte, centro-oeste e nordeste do país, adquirir os livros físicos frequentemente se torna bem mais caro devido a problemas de frete.

Outro fator é a opção de escolha. Enquanto nos anos 90 a única forma de jogar RPG era comprando um livro físico, hoje em dia existem muitas outras opções. Existem vários sistemas gratuitos ou pelo menos com alguma versão gratuita, mesmo entre os jogos do mercado formal. Quer jogar fantasia medieval? Nos anos 90 você podia usar um sistema genérico (incluindo 3D&T e Daemon) ou jogar D&D. Hoje em dia temos Tormenta, Old Dragon, Dungeon World, Dragon Age, Shadow of the Demon Lord, Crônicas, Mighty Blade, Guerra dos Tronos, 13a Era, Reinos de Ferro, três sistemas genéricos formais (3D&T, Savage Worlds, Fate) e quase incontáveis opções informais. A soma dessas tiragens é muito superior à soma das tiragens do passado.

Tiragem é sinônimo de popularidade?

É importante entender que qualquer análise do mercado formal de RPG serve apenas como um indicador da cena de RPG.

Guerra dos Tronos é o livro de RPG mais vendido da Jambô, vendendo até mesmo mais que Tormenta. Isso não quer dizer que ele é mais jogado. Um livro comprado muitas vezes não vê mesa. Guerra dos Tronos é notoriamente difícil de ser usado em eventos (sua maior força está em campanhas), portanto dificilmente aparece em mesas públicas. Por causa da força da marca, também, não é incomum que jogadores de Guerra dos Tronos se aproximem do livro como um produto de Crônicas de Gelo e Fogo em vez de RPG. Mesmo que joguem, esses jogadores não necessariamente aparecem para o resto da comunidade RPGista. O mesmo fenômeno tende a se repetir com o Hora de Aventura da Retropunk.

Todos os esforços de pesquisa ainda apontam para D&D ser o RPG mais jogado no Brasil, apesar dele não existir oficialmente em português faz anos. Relegado exclusivamente ao mercado informal, ele ainda permanece popular e presente nas mesas.

Logo depois dele, as comunidades extremamente ativas de Tormenta e Old Dragon sugerem que esses dois jogos também são muito populares. São figurinha fácil em eventos e contam com forte suporte por parte de suas editoras.

Porém, é importante notar que essas são impressões superficiais tiradas a partir de dados incompletos. É flagrantemente impossível declarar quais são os jogos mais populares do país sem um forte investimento de pesquisa. Por enquanto, só temos palpites. Os dados cruzados apontam que esses palpites estão, pelo menos em termos de mercado, bastante próximos da verdade. Mas em termos do que realmente vê mesa, em termos do que é jogado, é possível (provável, inclusive) que nunca saibamos com certeza.

E o rolê indie?

Um jogo indie, nos anos 90, tinha tiragens de 250 a 500 exemplares. Por volta de 2011 e 2012, as tiragens se mantinham nessa faixa. Hoje esses mesmos jogos se encontram fortemente inseridos no mercado formal, chegando a tiragens de 1000 exemplares. A tiragem média flutua em torno de 500 exemplares.

Cada vez mais parte do mercado formal, o que é ou deixa de ser indie no Brasil é questão para longos debates. Quase todo autor indie de destaque hoje está afiliado a uma editora ou fundou a sua própria. Mesmo que frequentemente os indies ofereçam seu material de forma gratuita, enquadrada no mercado informal, seu material costuma ser pronto para consumo, adotando regulamentações editoriais. Se um jogo indie é um livro com ISBN, diagramador, ilustrador, editor, revisor e suporte a longo prazo, será que esse rótulo ainda significa alguma coisa?

Uma galera do rolê indie, no Lab Jogos de 2015

E esses financiamentos coletivos?

O mercado formal de RPG está em expansão, apoiado principalmente nos financiamentos coletivos. Esse formato diminui o risco dos lançamentos, fazendo que o investimento inicial das editoras seja menor. Porém, ele não deixa de trazer consigo alguns problemas.

O financiamento coletivo vende uma ideia, não necessariamente um produto. Quando se apoia um financiamento coletivo, se faz uma doação e como recompensa é oferecido um produto. Embora na prática possa parecer uma pré-venda, é um pouco diferente.

As campanhas brasileiras de financiamento coletivo de RPG têm ficado cada vez mais elaboradas, aumentando consideravelmente a quantidade de tempo, energia e dinheiro que precisam ser investidos para atingir o resultado esperado. Essa é uma evolução natural da plataforma, também sendo observados nos Estados Unidos. Se no passado era só ter uma ideia interessante, conseguir meia dúzia de ilustrações bonitas e partir para o Kickstarter, hoje a falta de planejamento faz até mesmo projetos bem trabalhados voltarem para um segundo round.

Conforme os jogos mais populares atraem mais jogadores para o hobby, o número de apoiadores em potencial para campanhas de financiamento coletivo aumenta. Dessa forma, o sucesso das editoras maiores reflete no das pequenas. Cada novo jogador de Tormenta é um possível apoiador para a campanha de financiamento coletivo do seu jogo indie malucão.

A arrecadação em financiamentos coletivos aumenta a cada ano (tanto individualmente quanto em grupo), bem como o número de projetos. Devido aos fenômenos supracitados, porém, cada vez mais projetos não conseguem atingir sua meta.

É comum encontrar preocupações quanto à saúde do modelo, especialmente no que tange atrasos. Imprevistos acontecem e já tivemos casos de atrasos de dois anos para entrega de livros financiados. Conforme o modelo se aprimora, os atrasos se tornam mais curtos e menos frequentes, mas o público se demonstra cada vez menos pacientes com os mesmos, fazendo sua voz ser ouvida. Essa é a principal vantagem que as redes sociais trazem ao modelo, a proximidade entre jogador e editora. Os números apontam para cada vez mais financiadores, mesmo com as reclamações. Isso pode significar uma constante renovação do público de apoiadores, pode significar que as reclamações são realizadas por uma minoria vocal ou pode ser uma combinação dos dois fatores. É importante que as editoras não percam de vista a noção de que as reclamações são necessárias, positivas e essenciais para a saúde desse modelo de produção.

O maior financiamento coletivo de RPG do Brasil

Afinal, como está o mercado?

É ingenuidade dizer que o mercado formal nacional está mais forte atualmente do que estava nos anos 90. Por outro lado, só malícia ou ignorância podem dizer que ele está morto. Mesmo na ausência de títulos internacionalmente fortes como D&D e Vampiro, o mercado está bastante ativo, contendo uma grande quantidade de editoras e publicando muito material de autoria nacional. Ao mesmo tempo, jogos internacionais cujas versões em português seriam impensáveis vinte anos atrás agora são extremamente comuns.

A qualidade dos livros também aumentou. Se antes somente aquilo que fosse mais barato possível podia vender, hoje existem diversos livros com miolo inteiramente colorido, além de versões ainda mais luxuosas. Isso torna esses livros consideravelmente mais caros, sim, mas ainda existem títulos mais em conta. Além disso, praticamente todo jogo conta com uma versão gratuita para ser testada antes do jogo ser adquirido.

As tiragens de cada livro estão cada vez maiores, mas os livros continuam esgotando. O exemplo mais claro disso é o Old Dragon, que começou com uma tiragem de 300 exemplares e já teve 9 impressões, a última com 2000 exemplares. Jogos mais recentes, como In Nomine, têm tiragens iniciais de 3000.

Cada vez mais, o mercado formal de RPG se profissionaliza. Na Jambô, por exemplo, todos os editores são contratados via CLT e têm no RPG seu trabalho principal (ainda que a editora tenha outros produtos). Na Retropunk, o editor da Rolepunkers se tornou editor de RPG, passando a receber salário em vez de uma ajuda de custo. Igor Moreno parou de dar aulas e agora se concentra exclusivamente no trabalho com jogos, seja para a linha editorial da Redbox ou para seu selo Flying Ape. O retorno da Dragão Brasil oferece a muitos autores a oportunidade de ter o primeiro trampo remunerado. Dessa forma, muitos passam por um ciclo de hobby pelo hobby para hobby remunerado até profissionais contratados.

Depois de um período difícil, o mercado formal de RPG encontra-se em expansão. O país pode estar em crise, mas o RPG definitivamente não está. Enquanto os títulos forem tratados com cuidado e existir uma relação saudável com o mercado informal, isso tende a se manter. Se o oba-oba de uma “nova era de ouro” se instaurar, pode ter certeza que ela não vai chegar nunca. 

Esse artigo só foi possível graças à cooperação de Antonio Pop da Redbox, Alexandre Manjuba da New Order, Guilherme Dei Svaldi da Jambô, Douglas Guimarães da Dimensão Nerd, Eva Andrade da Aster, Diego Bernard do Lampião, Eduardo Caetano da Secular, Fernando Del Angeles da Retropunk e Filipe Cunha da Pensamento Coletivo. Muito obrigado, povo!

Isso é uma mesa normal de RPG

Foto de Ser ou Não Sei

Previous Icons: RPG com Superpoderes - Resenha
Next Ganhadores dos Ennies 2017

About author

Shinken
Shinken 278 posts

Thiago Rosa Shinken é escritor e tradutor freelancer de RPG, já tendo trabalhado várias editoras no Brasil e nos EUA. Ele joga RPG desde os 9 anos, é fã de punk rock, nunca dispensa uma cerveja de trigo e torce pelo Fluminense.

Você pode gostar também de

Sistemas 0 Comments

Lançamento de Março Pathfinder

Continuando com os lançamentos de março, temos o Tombs of Golarion na linha campaing setting. São seis tumbas, cada uma baseada em uma das culturas de Golarion, completamente detalhadas sala

Noticias e Mais 5 Comments

Como criar a historia do personagem

Muitas vezes tive problemas ao começar uma campanha séria ( fora o fato de quase nunca conseguir termina-las ). Criação de Personagens. Nem vou tocar na parte de Personagens Combados VS

Noticias e Mais 0 Comments

A próxima aventura de D&D terá gigantes!

No dia primeiro de junho, tudo leva a crer que a Wizards of the Coast vai anunciar a nova storyline de D&D. Apesar de toda a equipe não estar falando

8 Comments

  1. Hugo
    agosto 14, 17:00 Reply
    Parabéns pelo texto, e obrigado por ter escrito ele.
  2. Odmir
    agosto 14, 20:39 Reply
    Nice work, muito boa a analise do Mercado
  3. Álvaro
    agosto 14, 21:42 Reply
    Excelente artigo. Mandou benzaço.
  4. Pedro O.
    agosto 14, 23:43 Reply
    muito bom, trouxe dados que eu não fazia ideia e acho que suas análises são bem postas. Algo que me surpreendeu foram os números do Guerra do Trono, porque tenho a impressão que ninguém joga ela! Quase nunca vejo alguém falar a respeito.
  5. Estevão
    agosto 15, 09:30 Reply
    Muito bom esse artigo, bem completo. Parabéns!
  6. Vinicius Moes
    agosto 26, 21:28 Reply
    Excelente matéria! A única discordância que tenho é no sentido de que o mercado de RPG não está tão bom quanto o dos anos 90 e 2000. Só acho que não está melhor do que da primeira metade dos anos 90 por conta de não haver grandes editoras trabalhando com RPG, mas hoje está muito melhor do que o da metade final dos anos 90 e anos 2000, temos muito mais variedade de produtos e de preços. Temos grandes lojas, como a Amazon, vendendo jogos, às vezes até com frete grátis para todo o país. Atualmente temos praticamente todos os grandes títulos internacionais lançados aqui no Brasil, exceto os mencionados no texto, além de muitos jogos vencedores de prêmios internacionais. Temos também uma grande produção de jogos interna, com pelo menos dois títulos excelentes e com boas vendas. Temos excelentes divulgadores do RPG no Youtube e nos sites e blogs, vários eventos regionais que fazem o serviço de ensinar as pessoas a jogar e muitos grupos no Facebook, Google +, Whatsapp e Telegram em que as pessoas conversam sobre RPG. Sem contar que hoje temos um acesso muito mais simples à miniaturas e cenários, já que temos empresas que produzem aqui no Brasil! Ainda temos a facilidade do financiamento coletivo, por falar nisso, eu escrevia no finado Minas Morgul uma análise dos maiores financiamentos coletivos de jogos e atualmente estou dando continuidade em um projeto mais simples chamado www.3dungeonmasters.com.br. Caso queira dar uma olhada no último texto que publiquei, em junho deste ano dá pra ver que dentre jogos de tabuleiro, jogos de cartas, jogos de miniaturas e livros-jogos, o RPG consegue ter mais projetos financiados e mais financiadores, segue o link do texto: https://www.3dungeonmasters.com.br/single-post/2017/06/17/Os-10-maiores-financiamentos-coletivos-de-jogos-no-Brasil-at%C3%A9-junho-de-2017 Continue com o excelente trabalho!

Deixe um recado