2015 não foi um bom ano para GURPS

2015 não foi um bom ano para GURPS

O segundo ano ruim seguido

A Steve Jackson Games, editora responsável por GURPS, só tem um acionista. Isso provavelmente não vai te surpreender, mas esse acionista é Steve Jackson. Ainda assim, eles fazem um relatório anual de suas finanças para todos aqueles que compõem sua rede – funcionários, distribuidores, consumidores. Essa transparência é rara na indústria de jogos, especialmente de forma tão aberta.

O que esse relatório nos diz é basicamente o que já sabíamos por aqui. A SJG basicamente sobrevive de Munchkin, que está tendo sua distribuição cada vez mais expandida. A empresa em si está bastante bem. Eles têm outros jogos, como OGRE e Car Wars, mas o único RPG da editora é GURPS. Portanto, é esse jogo que vai importar para gente.

GURPS é um jogo que já foi muito importante no cenário brasileiro, mais do que jamais foi no cenário americano. Nos anos 90, o jogo ficava lado a lado com Vampiro a Máscara e AD&D como os mais populares RPGs no país. Tivemos uma série de lançamentos nacionais para ele, como o Mini GURPS e seus jogos históricos. Com a chegada da quarta edição de GURPS, os lançamentos que já não eram especialmente céleres começaram a chegar cada vez mais devagar aqui no Brasil.

O relatório anual da SJG também confirma o que já sabíamos – GURPS não está indo muito bem das pernas. Rumores circulavam ano passado de que a SJG teria desistido de publicar livros impressos de GURPS. A realidade é bem próxima disso.

Discworld Roleplaying Game GURPS Mars Attacks ainda não foram impressos. Produzir livros impressos de GURPS de forma lucrativa é um desafio no momento. Nossos recursos investidos em livros físicos – que requerem consideravelmente mais esforço que card games ou board games por causa de seu tamanho e requerimentos de artistas – atualmente excedem as vendas esperadas através da distribuição nas lojas especializadas. Estamos trabalhando nisso.
– Phil Reed

No ano passado, a Steve Jackson Games lançou reimpressões de GURPS Characters e GURPS  Campaigns. Vários livretos eletrônicos são lançados na Warehouse 23, mas eles não se comparam à profundidade pela qual os livros impressos são famosos. 2014 também não teve nenhum lançamento de livros físicos para GURPS.

Em um cenário que já conta com Fate e Savage Worlds, será que GURPS não tem mais espaço?

gurps

Previous Ed Greenwood retorna a Forgotten Realms
Next Precisamos Conversar Sobre Metagame

About author

Shinken
Shinken 286 posts

<p>Thiago Rosa Shinken é escritor e tradutor freelancer de RPG, já tendo trabalhado várias editoras no Brasil e nos EUA. Ele joga RPG desde os 9 anos, é fã de punk rock, nunca dispensa uma cerveja de trigo e torce pelo Fluminense.</p>

Você pode gostar também de

RPG Notícias 5 Comments

Épico RPG

O cenário de RPG nacional está muito bom, com ferramentas como o financiamento coletivo e a impressão sob demanda permitindo que qualquer autor publique seu material. Nós já mostramos o

RPG Notícias 0 Comments

Sábado Indie #8: Fight! The Fighting Game RPG

Sábado é dia de indie no RPG Notícias. Faz algum tempo a gente falou de um RPG que tentava ser sobre jogos de luta e não conseguia, mas que ficava melhor

RPG Notícias 1Comments

Coriolis – Um RPG Sci-fi dos Criadores de Mutant Year-Zero

Coriolis é o novo RPG dos mesmos criadores de MUTANT YEAR ZERO! Coriolis é um RPG de ficção científica que se passa em um sistema de estrelas chamado The Third

16 Comments

  1. mikemwxs
    Janeiro 20, 13:37 Reply
    Eu gosto de GURPS, mas infelizmente a vida adulta, onde o tempo é um recurso escasso, demanda cada vez mais jogos que demandam pouca (ou as vezes nenhuma) preparação e isso se torna um empecilho para eu voltar a jogar o sistema como gostaria.
  2. PL Madeira
    Janeiro 20, 14:44 Reply
    2014 teve GURPS Zombies impresso. FATE e SW não são concorrência direta de GURPS, eles são jogos mais voltados pra jogos narrativos, enquanto GURPS foca no simulacionismo. Fãs de GURPS não encontram em FATE e SW o que eles encontrariam em GURPS. O que tá matando GURPS aqui é a Devir.
    • Guilherme Taverneiro
      Janeiro 20, 15:05 Reply
      Eu sou um ex-jogador de GURPS que, insatisfeito com a situação, migrei para o Fate. Eu não quero necessariamente um RPG simulacionista, mas sim poder misturar fantasia medieval com mechas gigantes e espaço-naves num mesmo sistema. Então GURPS "me perdeu" em partes para outros sistemas versáteis - independente do paradigma. Essa divisão do The Forge não é tão aparente para o jogador, que só quer se divertir em uma infinidade de gêneros. Convido a ler a chamada de contra capa do GURPS Characters e do Fate Core. É quase a mesma coisa e isso não é à toa.
      • PL Madeira
        Janeiro 20, 16:25 Reply
        Isso não significa que ambos os jogos são apelativos pro mesmo público. Eu mesmo já quis migrar pro Savage Worlds, mas a simplicidade do jogo em comparação com GURPS simplesmente não me agrada. Ter gente que troca um pelo outro por falta de suporte não significa que o jogo não tenha espaço no mercado nacional. Ele tem sim. Ele é perfeitamente capaz de conviver num mesmo mercado com Savage Worlds e FATE.
        • Shinken
          Janeiro 20, 17:08 Reply
          O espaço de GURPS no mercado nacional é uma questão diferente. Até o site da Devir é uma bagunça. O jogo claramente tem seus fãs e como os livros lançados aqui foram poucos, esses fãs aparentemente estão dispostos a comprar novos produtos. A pergunta no final do artigo era mais sobre o mercado americano, mesmo. Será que existe uma fanbase para GURPS por lá? Pra chegar ao ponto de não valer a pena imprimir os livros, a coisa tem que ser bem séria.
        • Guilherme Taverneiro
          Janeiro 20, 22:17 Reply
          Eu não quis dizer que GURPS não tem espaço no mercado nacional ou internacional. Se dei a entender isso, eu te peço sinceras desculpas. O que eu quis dizer é: se nem SJGames nem Devir dão suporte para o GURPS, como esperar angariar e sustentar os fãs do jogo? Não concorda que é fatídico que os jogadores procurem jogos mais diversos e abertos (como os já mencionados)? Eu entendo o desejo da galera pelo crunch, mas queria fazer um questionamento sadio: será que todos buscam GURPS por conta do detalhismo ou por conta de sua (genial) modularidade? Concordo que Fate ou Savage Worlds não são substitutos IDEAIS, mas podem ser o SUFICIENTE. Pelo menos existem várias editoras lançando material para eles, por conta do licenciamento destes sistemas... é realmente uma pena que o GURPS (o unico RPG da SJG) não siga uma filosofia semelhante, não acham?
          • PL Madeira
            Janeiro 21, 16:11
            Sim, mas foi isso que quis dizer no meu comentário, que FATE e SW não estão pegando a fatia da torta que pertencia ao GURPS. Os jogadores estão migrando pra esses sistemas por falta de suporte e não por que GURPS já deu o que tinha que dar. Meu ponto desde o início era esse, a responsável pelos jogadores estarem mudando de sistema é a Devir que não dá o devido suporte e não as outras editoras publicando outros jogos.
          • Shinken
            Janeiro 22, 17:10
            Mas migrar para outro sistema, independente do motivo, é pegar uma fatia da torta, não?
          • Guilherme Taverneiro
            Janeiro 22, 17:57
            O lance é que não tem mais torta pra comprar da SJ Games em se tratando de RPG. Ok, temos a Pyramid e é bem legal (eu mesmo compro algumas de vez em quando) mas, ao mesmo tempo tem um montão de coisa acontecendo no mercado lá fora e dá uma angústia ver o GURPS ali parado quieto como se não tivesse sido convidado pra festa... Eu disse em outra ocasião que acho que o GURPS deveria ser maior do que é e eu lamento muito a SJ Games ser super-protetora demais em tempos de OGL e Creative Commons.
          • Shinken
            Janeiro 22, 18:30
            Mas não tem mais torta justamente porque os jogadores foram para outros sistemas, não?
          • Guilherme Taverneiro
            Janeiro 23, 10:00
            Como eu, por exemplo. O fato é que um sistema como GURPS poderia ser a base para uma porção de produtos. Veja títulos como Interface Zero, Nova Praxis, Amethyst e tantos outros projetos que suportam Savage World, Fate, Pathfinder e (agora) D&D 5e. GURPS estaria em alguns deles se fosse aberto? Eu acredito que sim e esta é uma oportunidade de manter a marca GURPS na cabeça dos jogadores. Um jogador de Savage Worlds talvez queira conhecer GURPS por ver o jogo na lista dos sistemas contemplados por um projeto que ele acabou de financiar. Como isso poderia ser pior do que ter um (ou nenhum) livro por ano?
    • Shinken
      Janeiro 20, 17:00 Reply
      GURPS Zombies deve ter saído no final de 2013, porque não saiu em 2014. Da Stakeholders Report de 2014: "Even though our GURPS team produced several electronic titles in PDF for online sale, including monthly issues of Pyramid, we published zero new GURPS books in 2014." http://www.sjgames.com/general/stakeholders/report15.html
      • PL Madeira
        Janeiro 21, 16:06 Reply
        Sim, confundi mesmo, por que saiu em Dezembro de 2013. Era quase 2014, então dá uma trégua. :P
  3. Mock
    agosto 02, 12:07 Reply
    Olha onde eu te encontrei depois de tanto tempo! Então tu "manja dos rpg", Thiago? Já tinha visto você falando de RPG, mas nunca ia imaginar que você era engajado. Aqui é o Leonardo (vulgo "Jorge") da UERJ (Japonês).
    • Shinken
      novembro 15, 17:38 Reply
      Cara, só vi agora eu comentário! Abração, sensei!

Deixe um recado